A luta de Marília Arraes pelo PT de Pernambuco

A luta de Marília Arraes pelo PT de Pernambuco


OPINIÃO

De vereadora do Recife, foi lançada como pré-candidata a governadora de Pernambuco pelo senador Humberto Costa (PT), que tinha objetivos escusos para a neta do ex-governador e mito das esquerdas no estado, Miguel Arraes. Barganhar o espaço de senador na frente popular e garantir sua reeleição. Deu certo!

Marília, que já tinha se desentendido em anos anteriores, com o ex-governador e primo, Eduardo Campos (In memoriam), entrou de cabeça na missão, para reerguer o partido dos trabalhadores no estado e inspirar novamente esperança de um futuro melhor e promissor. 

Rodou o estado tintin por tintin, vendo sua estrela brilhar tanto, a ponto do exército do governador fazerem de tudo para impedir sua candidatura a governadora - apontado por todos como vitoriosa – ser interrompida pela tramoia arquitetada por Humberto.

Marília lutou e resistiu até onde deu. Foi para as prévias do partido no estado, venceu Humberto e sua legião, por uma margem considerável de votos, mas, teve seu tapete puxado pela própria cúpula do PT nacional, manipulada por Humberto em troca de um ostracismo do PSB em apoio a Lula. No caso Haddad.

Agora a luta é outra.  Onde os “inimigos” são desafetos e antigos aliados. Os estudiosos da política sabem muito bem que "os aliados de hoje serão os inimigos de amanhã". 

Como gato escaldado tem medo de água fria, Marília deve ter clareza que precisa ganhar a cúpula partidária para não ser alvejada e tombar mais uma vez. Dentro do PSB, quando foi eleita vereadora pela primeira vez, também foi fritado seus desejos de disputar um mandato de deputada na época, o que lhe rendeu a saída do PSB "Eduardista".

O caminho é árduo e estreito. Terá que tomar “democraticamente” o PT de Humberto no estado. 

Para isso a neta do ex-governador Miguel Arraes apoiará no próximo domingo, 08 de setembro a chapa do presidente do PT interino no estado, Glaucus Lima e Cristina Costa, que são os candidatos a presidente e vice, respectivamente. Tereza Leitão integra esse núcleo de apoio.

Carlos Veras (PT) e Doriel Barros (PT), que em 2018 estavam engajados na construção de uma chapa própria para a disputa do governo do estado e estavam com Marília, hoje estão justamente do outro lado da força, engajados com Humberto pela manutenção da aliança estadual. 

Doriel inclusive é o candidato apoiado pelos que querem que continuem a aliança do PT de Pernambuco com o PSB pernambucano, podendo gerar uma indicação para a vice de João Campos na corrida pela prefeitura da capital.

Marília sabe, que se não “arrancar” o PT das mãos de seus opositores, mais uma vez o projeto majoritário no estado será enterrado, a começar pela prefeitura do Recife. Informações apontam que Marília poderá disputar um mandato de prefeita, fazendo inclusive, caso se confirme, uma dobradinha com Túlio Gadelha (PDT) que é deputado federal.

Caso o diretório estadual fique nas mãos dos "Humbertistas", a saída de Marília do PT, seria inevitável,  caso ela ainda nutra o sonho de ser candidata a governadora por Pernambuco em 2022. Até porque o príncipe João Campos vem sendo lapidado e cevado para ser candidato a governador de Pernambuco em 2026.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com responsabilidades, não ofenda e nem acuse a quaisquer cidadão. afinal o blog, o blog é de vocês.